FAQ  •  Registrar  •  Entrar

A entidade EBE de Roswell - parte 1

Moderadores: Britan, Alexandre, Cavaleiro, hsette, Euzébio, eDDy, Moderadores

<<

yukan

Mensagens: 5

Registrado em: Dom Nov 06, 2011 7:26 pm

Localização: São Paulo

Mensagem Qua Nov 09, 2011 11:02 am

A entidade EBE de Roswell - parte 1

A entidade EBE de Roswell - parte 1

O DIA DEPOIS DE ROSWELL


Coronel Philip J. Corso


Tradução: lhas3126@yahoo.com.br
<!--[if !supportLineBreakNewLine]-->
<!--[endif]-->

CAPÍTULO VII- A ENTIDADE EBE
Fonte: http://www.bibliotecapleyades.net

Então talvez devêssemos considerar os corpos dos EBEs resgatados do acidente conforme descrito no relatório de autópsia médica como robôs humanóides em vez de formas de vida humana, projetadas especificamente para viagens de longa distância através do espaço e/ou tempo.



Capa do livro cujo capitulo VII é aqui apresentado

Uma manhã quente de verão em Washington DC já havia descido sobre o rio Potomac, como se fosse uma toalha molhada no dia em que terminei o primeiro dos meus relatórios para o General Trudeau. E o que era aquele relatório!!!. Ele deu o tom para todos os outros relatórios e recomendações que eu viria a fazer para o General, ao longo dos próximos dois anos. Tudo começou com a maior descoberta que fizemos: os corpos e os alienígenas extraterrestres em si mesmo.


Se eu não tivesse lido o relatório médico do alienígena examinado pelo pessoal do Walter Reed Army Medical Center (Centro Médico do Exército Walter Reed) com meus próprios olhos e revisto as fotografias de 1947 e esboços do exército, eu teria chamado qualquer descrição de todos os eventos e das criaturas de pura ficção científica, ou seja, se eu não o tivesse visto pessoalmente, ou o seu irmão gêmeo suspenso em uma cripta transparente em Fort Riley. Mas aqui estava mais uma vez, apenas um molho de papéis amarelecidos e um papel brilhante rachado em uma pasta marrom jogado entre os escores de probabilidades e extremidades, pedaços de detritos da aeronave, e alguns dispositivos estranhos no meu porta arquivos.

Ainda mais estranho para mim do que o relatório do médico legista foi a minha reação: o que podemos aproveitar dessa entidade alienígena? Eu escrevi ao General que "apesar de nós termos encontrado uma" entidade biológica extraterrestre "isso não é tão importante na área de Pesquisa & Desenvolvimento, importante são as maneiras que nós podemos desenvolver e o que podemos aprender com isso para que o homem possa viajar pelo espaço. "Isso rapidamente se tornou a preocupação principal com todos os artefatos do incidente em Roswell e o formato geral para todos os meus relatórios. Uma vez eu engoli o aspecto "Oh Uau (era muita coisa nova ao mesmo tempo para ser digerida)" de toda esta informação que alteraria as nossas vidas. Eu ainda estava com o trabalho de separar nos destroços o que parecia ser promissor para a Pesquisa & Desenvolvimento, para desenvolver o que parecia muito além e fora da nossa compreensão realista do presente (naquele presente). Comecei com a entidade alienígena EBE.


O Coronel Philip J. Corso ao lado do General Arthur Trudeau



O relatório médico e as fotografias de apoio na frente de mim sugeriam que a criatura era muito bem adaptada biologicamente para viagens espaciais de longa distância. Por exemplo, com a passagem do tempo biológico, os médicos examinadores de Walter Reed sugeriram a hipótese de que o tempo devia ter passado muito devagar para a entidade porque seu corpo possuía um metabolismo muito lento, evidenciado, segundo eles, pela enorme capacidade do coração e pulmões enormes.



A fisiologia da criatura indicava que não era um tipo de criatura cujo corpo tinha que trabalhar duro para sustentá-lo vivo. Um grande coração, significa que teria que bater menos do que um coração humano médio para conduzir o fino, leitoso e quase linfático fluído (bem diferente do sangue humano) através de um aparelho circulatório parecendo mais primitivo, e aparentemente com redução da capacidade do sistema circulatório. Como resultado, o relógio biológico “interno” bateria mais devagar do que num ser humano e, provavelmente, permitiria que a criatura pudesse viajar grandes distâncias em um tempo biológico mais curto do que os seres humanos.


O coração já estava muito decomposto pelo tempo quando os patologistas de Walter Reed puseram as mãos nele. Parecia-lhes que a nossa atmosfera era muito tóxica para os órgãos vitais da criatura. Dado o tempo decorrido entre o acidente da espaçonave e a chegada da criatura para exame no Walter Reed, a decomposição de todos os órgãos dos corpos dos Ebes aconteceu muito mais rapidamente do que teria acontecido com órgãos humanos. Este fato me impressionou particularmente porque eu tinha visto uma dessas coisas, mesmo não sendo o indivíduo descrito no relatório, eu vi um suspenso dentro de uma substância gelatinosa em Fort Riley.



Assim, qualquer exposição que deveria ter tido em nossa atmosfera após o acidente da espaçonave seria mínima pelos padrões humanos, porque o pessoal médico do 509 de Walker Field colocaram-nos em um líquido para manter o estado de conservação muito rapidamente. No entanto, os patologistas de Walter Reed foram incapazes de determinar com certeza a estrutura do coração da criatura, exceto para supor que o local funcionava como uma unidade passiva de armazenamento de sangue, assim como um músculo de bombeamento que não funcionaria da mesma forma que fez em um coração humano com quatro câmaras. Eles disseram que o coração alienígena parecia ter um diafragma interno como músculos que trabalhariam menos duro que o músculo do coração humano o faz porque as criaturas foram criadas para sobreviver dentro de um ambiente com gravidade reduzida assim como entendemos a gravidade.


Assim como os camelos armazenam água, também essas criaturas poderiam armazenar qualquer atmosfera que fosse devido a grande capacidade dos seus pulmões. Os pulmões funcionariam de forma similar à corcova de um camelo ou como os nossos tanques de mergulho que armazenariam gases e liberam a atmosfera muito lentamente no sistema respiratório/circulatório da criatura. Devido ao grande coração e a função de armazenamento que as criaturas tinham, nós também supomos que não seria necessário levar muita atmosfera respirável durante a viagem, para sustentar a vida da tripulação, reduzindo assim a necessidade de transportar grandes volumes de atmosfera ao longo de qualquer viagem.


Talvez a espaçonave tivesse um meio de recirculação de sua atmosfera, reciclando o ar/atmosfera já utilizados no interior da nave. Além disso, porque as criaturas tivessem apenas quatro pés de altura (em torno de um metro), os grandes pulmões ocupavam uma porcentagem muito maior da cavidade torácica do que os pulmões humanos que, na sequência que impressionou os patologistas que examinaram os restos dos corpos alienígenas. Isso também nos indicava que talvez se tratasse de uma entidade projetada biológica e especificamente para viagens interestelares de longa distância.


Se nós acreditássemos que o coração e os pulmões pareciam produto de bioengenharia para viagens espaciais interestelares de longa distância, também assim parecia ser o tecido do esqueleto das criaturas alienígenas. Embora estivessem em estado de decomposição avançada, os ossos das criaturas pareceram aos médicos legistas do exército serem fibrosos, na verdade, mais finos do que comparáveis aos ossos humanos, como das costelas, o esterno, a clavícula e a pelve. Os médicos Patologistas especularam que os ossos eram mais flexíveis do que os ossos humanos e tinham uma elasticidade que pode estar relacionado com a função de amortecedores em caso de choque. Os ossos humanos mais frágeis podem mais facilmente se quebrarem sob as tensões em que estas entidades alienígenas devem ter sido submetidos em sua rotina. No entanto, com um esqueleto mais flexível, essas entidades pareceram mais bem adequadas para absorver potenciais choques e traumas físicos de forças extremas e poderiam resistir a fraturas que deixariam aleijados viajantes espaciais humanos submetidos às mesmas forças em um ambiente similar.


A equipe militar de resgate em Roswell havia informado que as duas criaturas resgatadas ainda vivas depois do acidente tinham dificuldade em respirar a nossa atmosfera. Se isso foi porque eles foram subitamente atirados para fora de sua espaçonave após o acidente, desprotegidos, em nosso ambiente gravitacional e atmosférico da Terra ou se a nossa própria atmosfera era tóxica para eles, nós não sabemos. Nós também não sabemos se a criatura que morreu logo após o acidente estava lutando para respirar, porque ele foi mortalmente ferido por tiros ou por causa de outros motivos.


Testemunhas militares contaram histórias diferentes sobre uma criatura que sobreviveu e tentou fugir. Alguns diziam que ele estava lutando para respirar a partir do momento em que o militar teve assegurado a segurança do local, outros disseram que ele estava ofegante só depois de ter sido baleado por um dos sentinelas. Meu palpite é que foi a exposição súbita do alienígena a forte gravidade da Terra que causou a criatura para entrar em pânico à primeira vista. Isso poderia ter sido um motivo para a respiração dele parecer difícil. Então, depois que ele tentou fugir e foi atingido, ele estava lutando para respirar por causa de seus ferimentos. O relatório do médico legista nada menciona sobre gases tóxicos ou o tipo de ambiente que ele acreditava que as criaturas naturalmente respiravam.




Se a nave acidentada recuperada em Roswell era uma pequena espaçonave de reconhecimento ou de vigilância, como os analistas militares da Base de Wright Patterson acreditavam, então também era mais do que provável que as criaturas nunca tivessem a intenção de sair da aeronave acidentada. Esta era uma embarcação equipada com um dispositivo que era capaz de penetrar em nossa noite ou utilizando os diferenciais de temperatura de objetos diferentes para criar uma imagem visual, permitindo que os ocupantes pudessem navegar sobre a superfície terrestre e observar o terreno no escuro sem serem notados. E porque eles pudessem enganar nossos interceptadores e aparecerem e desaparecerem em nossas telas de radar à vontade, nós acreditamos que os ocupantes simplesmente ficavam dentro da nave e observavam melhor o ambiente externo à medida que vagavam. Talvez outros tipos de espaçonaves desenvolvidas a partir desta mesma cultura alienígena fossem preparadas para aterrissarem e para realizarem outras missões e, portanto, teriam aparelhos para respiração e antigravidade a bordo para uso de sua tripulação, que lhes permitiriam sair da embarcação sem sofrer quaisquer consequências. O médico legista não especulou sobre isso.


O que intrigou os que inspecionaram a espaçonave quando ela foi enviada para Wright Field foi a completa ausência de todas as instalações necessárias para preparação de alimentos. Também não existiam alimentos armazenados a bordo da espaçonave alienígena. Numa época em que as viagens espaciais eram fantasia de um escritor de ficção científica, os analistas militares já estavam trabalhando para formular idéias sobre como exatamente esse tipo de tecnologia poderia ser implementada na prática. Não era para viajar ainda para outros planetas, mas para a navegação aérea ao redor da terra porque essa era a tecnologia que os planejadores militares acreditavam que os alemães estavam desenvolvendo durante a Segunda Guerra Mundial como uma extensão do seu programa de foguetes V2.



Se você está indo tentar colocar pilotos aviadores em órbita terrestre, como você processa seus resíduos, forneceria o oxigênio suficiente para sustentá-los durante períodos prolongados? Obviamente, depois que você desenvolvesse um veículo de lançamento, com impulso suficiente para colocar uma nave/sonda em órbita da Terra, mantê-la lá fora o tempo suficiente para que ela cumprisse a missão seria o próximo problema a resolver. A nave de Roswell parecia ter resolvido todas essas questões, porque de alguma forma ela havia chegado aqui vinda de outro lugar, de outro planeta e sistema solar. Mas não havia nenhuma indicação de como os problemas domésticos foram resolvidos, tais como preparação de alimentos e eliminação de resíduos fisiológicos (se houvessem) foi resolvida.


Houve muita especulação dos diferentes médicos analistas sobre do que estes seres eram compostos e de que eles poderiam se manter durante a viagem. Primeiro de tudo, os médicos ficaram mais atormentados pelas semelhanças com que as criaturas compartilhavam conosco do que estavam preocupados com as diferenças entre nós e “eles”. Ao invés de insetos hediondos ou de terem a aparência de répteis devoradores de homens que atacaram a Terra (na obra de Orson Wells) em “Guerra dos Mundos”, estes seres pareciam ser pequenas (baixa estatura) versões de nós mesmos, apenas um pouco diferentes. Foi assustador.


Enquanto os médicos não puderam descobrir como a química essencial do corpo das entidades alienígenas trabalhava, os médicos determinaram que eles não continham novos elementos de base. No entanto, nos relatórios eu havia sugerido novas combinações de compostos orgânicos que requeriam muito mais avaliação antes que os médicos pudessem formar qualquer opinião. De interesse específico foi o fluido que servia de sangue, mas que também parecia regular funções corporais semelhante em muito e do mesmo modo que as secreções glandulares fazem para o corpo humano. Nessas entidades biológicas EBEs, os sistemas sanguíneo e linfático parecem ter sido combinados. E se uma troca de nutrientes e resíduos ocorria dentro de seus sistemas, que a troca só poderia ter ocorrido através da pele da criatura ou do revestimento externo de proteção que eles vestiam porque não existiam sistemas digestivo ou para eliminação de resíduos em sua fisiologia.


O laudo médico revelou que as criaturas estavam dentro de um macacão como uma peça única de proteção cobrindo o corpo ou uma pele exterior na qual os átomos estavam alinhados de forma a proporcionar uma grande força de tração e flexibilidade. Um examinador descreveu o que ele lembrou como uma teia de aranha, que parece muito frágil, mas é, de fato, muito forte. As qualidades únicas de uma teia de aranha esta a partir do alinhamento das fibras em um resultado que proporciona grande tenacidade, porque ela é capaz de se esticar sob grande pressão, no entanto, exibindo uma resistência que lhes permita voltar a se encaixar na forma original mesmo após o choque de um impacto. Da mesma forma, a vestimenta da criatura espacial ou pele exterior parecia ser esticada em torno dele como se houvesse sido literalmente girada sobre a criatura e se prendido ao seu redor, proporcionando um ajuste perfeito para a cobertura epitelial de proteção. Os médicos nunca tinham visto nada parecido antes.


Eu acho que finalmente entendi anos mais tarde como essa “pele exterior” funcionava, depois de eu ter deixado o Pentágono, em um ano em que eu fui comprar uma árvore de Natal. Enquanto eu estava ali no ar gelado, esperando pela árvore, eu vi o rapaz que a preparava para o transporte, inserir nela, pela parte superior em primeiro lugar, em um dispositivo de onde automaticamente virou uma malha de fios grossos cobrindo e se envolvendo em torno dos ramos para mantê-los no lugar para a viagem para casa. Depois que eu cheguei em casa eu tive que cortar a malha com uma faca para remover a árvore e separar os galhos. Esta árvore especificamente embalada me lembrou do laudo médico sobre a roupa da criatura do acidente de Roswell, e imaginei que talvez o processo de fiação de vestuário exterior do alienígena parecia ser algo como isto que embalou a àrvore de Natal.


O alinhamento longitudinal das fibras do tecido da vestimenta EBE também levou os analistas médicos a sugerirem que a roupa poderia ter sido capaz de proteger o usuário contra a energia dos raios cósmicos que bombardeiam rotineiramente qualquer espaçonave durante uma viagem espacial interestelar. Os órgãos internos da criatura pareciam ser tão frágeis e superdimensionados que os analistas do Centro Médico Walter Reed, imaginaram que as entidades teriam sido vulneráveis a traumas físicos de um bombardeio e a ação constante de energia das partículas cósmicas. As viagens espaciais sem proteção contra o bombardeamento de partículas subatômicas podem sujeitar o viajante no interior de uma espaçonave ao mesmo tipo de efeito que ele sentiria se fosse cozido num forno de microondas. O bombardeamento de partículas dentro da nave, se for forte o suficiente para constituir um banho, assim iria estimular e acelerar a estrutura atômica do tripulante, que a energia térmica resultante iria literalmente até cozinhar a entidade alienígena.


Os médicos de Walter Reed também ficaram fascinados pela natureza do interior da pele da criatura. Assemelhava-se, apesar de seus relatórios preliminares não entrar em qualquer análise química, com uma fina camada de tecido gorduroso diferente de todas que eles já tinham visto antes. E era completamente permeável, como se estivesse constantemente trocando produtos químicos e se abastecendo com o sangue da combinação sistema circulatório/sistema linfático. Este era o modo de como as criaturas se alimentavam durante as suas viagens e seria assim que os resíduos (se houvessem) eram processados? As suas bocas muito pequenas e a falta de um sistema digestivo humano perturbaram os médicos no início porque eles não sabiam como essas coisas se sustentavam vivas, como se alimentavam. Mas a hipótese de que eles processavam substâncias químicas absorvidas através de sua pele e que em sentido contrário liberavam do mesmo modo os resíduos químicos (se houvessem resíduos) talvez até mesmo a recirculação teria explicado a falta de preparação dos alimentos ou instalações de tratamento de resíduos dentro da espaçonave. Eu especulei, porém, que eles não precisavam de alimento ou de instalações para disposição de resíduos fisiológicos porque eles não eram formas de vida real, 100% humana, apenas uma espécie de robôs ou andróides.


Outra explicação, é claro, sugerida pelos engenheiros em Wright Field, é que não teria havido necessidade de instalações de preparo de alimentos nesta aeronave porque ela era apenas uma pequena nave de reconhecimento que não se aventuraria muito longe de uma grande embarcação.O baixo metabolismo das criaturas significava que eles poderiam sobreviver longos períodos longe da nave principal, subsistindo com o consumo de rações militares, alimentos industrializados até que retornassem à base. Nem os engenheiros da Base de Wright Field, nem os examinadores Médicos do Walter Reed tinham uma explicação para a falta de depósito (em bom português, um sanitário e/ou banheiro...) de resíduos a bordo da embarcação, nem poderiam explicar como os resíduos (se houvessem) das criaturas eram processados. Talvez eu estivesse especulando muito sobre robôs ou andróides quando eu estava escrevendo meu relatório para o General Trudeau, à época, mas eu fiquei pensando, também, que a análise da pele que eu tinha em mãos parecia mais semelhante à pele de uma planta de casa do que a pele de um ser humano. Isso também poderia ter sido outra explicação para a falta de instalações para preparo de alimentos e de retenção de resíduos fisiológicos.


Grande parte da atenção durante a autópsia preliminar e outras mais tarde das criaturas foi focada na natureza, a dimensão e na anatomia de seus cérebros. Muito crédito também foi dado às descrições de primeira mão sobre a cena em que as testemunhas disseram ter recebido as impressões da criatura agonizante que estava sofrendo e sentindo muita dor. Ninguém ouviu a criatura fazer qualquer tipo de som, por isso todas as impressões, assim o pessoal de Inteligência do Exército assumiu, teria que ter sido criada por algum tipo de projeção empática ou telepatia absoluta.


Mas as testemunhas disseram não ter ouvido "palavras" em suas mentes, apenas a ressonância de uma impressão compartilhada ou projetada muito mais simples do que uma frase, mas muito mais complexa, porque eles foram capazes de compartilhar com a criatura um sentimento não só de sofrimento, mas de tristeza profunda, como se estivessem de luto para os outros que morreram a bordo da embarcação. Estes relatórios das testemunhas me intrigaram mais do que qualquer outra informação que obtivemos do local do acidente

.

Os legistas acreditavam que o cérebro alienígena, muito grande em comparação com o cérebro humano e em proporção à pequena estatura da criatura, tinha quatro seções distintas. As criaturas estavam mortas e os cérebros tinham começado a se decomporem com o passar do tempo e eles foram retirados do crânio mole e esponjoso que os médicos sentiam mais como uma cartilagem palatina do que o osso duro de um crânio humano. Mesmo que as criaturas estivessem vivas quando foram examinados, a tecnologia disponível em 1947 para os médicos não tinha a ultra-sonografia ou a tomografia por alta ressonância de laboratórios de radiologia dos dias de hoje.

CONTINUA...

Autor: Coronel Philip J. Corso
Buscando o Despertar da Humanidade Cura Quantica Estelar - MMS - Cure HIV/AIDS

Advertisement

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.
<<

Britan

Avatar do usuário

Administrador

Mensagens: 2985

Registrado em: Qua Mai 12, 2004 7:14 pm

Localização: Portugal

Mensagem Sex Nov 11, 2011 9:35 am

Já temos posts sobre Roswell por favor prestar atenção a isso e aos balões para testes nucleares que eram usados na altura e depois inventavam-se histórias sobre Ovnis para encobrir e não irritar os Russos que estavam em plena guerra fria com os estados unidos.
http://www.anozero.blogspot.com
(actualizado, com nova imagem novas funcionalidades, inclui feeds)

Voltar para Ufoarqueologia

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante

  • Advertisement
cron